CARREGANDO

O que você procura

Destaque Geral Portal de Jornalismo ESPM RJ

O tapa de Will Smith e suas consequências sociais e emocionais

Compartilhar

Na premiação do Oscar, realizada no dia 27 de março, Will Smith surpreendeu o público ao dar um tapa no rosto do apresentador Chris Rock. A atitude foi tomada devido a uma piada feita pelo comediante acerca da doença autoimune da esposa de Will, Jada Pinkett Smith. Após 12 dias da cerimônia, no dia 8 abril, Will Smith foi banido de qualquer evento organizado pela Academia de Hollywood por 10 anos em função da agressão cometida naquela noite.

Esta ação que estamos tomando hoje (8 de abril) em resposta ao comportamento de Will Smith é um passo em direção a um objetivo maior de proteger a segurança de nossos artistas e convidados e restaurar a confiança na Academia.”  – carta divulgada pelo presidente da Academia, David Rubin

A decisão gerou bastante comoção nas redes sociais nesta última semana. Enquanto alguns fãs e celebridades consideraram justa a punição dada ao ator, outras pessoas não concordaram com o posicionamento da Academia. Pedro Butcher, professor de história do cinema, se posicionou dizendo: “Eu acredito que não daria para passar em branco, mas considerando vários aspectos, inclusive o histórico da Academia e mesmo as circunstâncias, eu acho que foi desproporcional.”

O artista brasileiro Lázaro Ramos, em entrevista ao “Roda Viva”, também comentou sobre o ocorrido. “Me deu um extremo sentimento de tristeza”, afirmou o ator. Lázaro disse que a primeira coisa que fez quando soube o que tinha acontecido foi conversar com mulheres negras à sua volta, para saber o que elas achavam da decisão de Will de defender a sua esposa.  

Ao longo da história, ocorreram outras suspensões na Academia, como o produtor Harvey Weinstein, expulso um mês depois de uma reportagem do jornal “The New York Times” revelar seu longo histórico de abusos sexuais dentro da indústria. O cineasta Roman Polanski também está na lista de suspensões; o diretor foi julgado culpado pelo estupro de uma garota de 13 anos em 1978, porém, só foi expulso da Academia quarenta anos depois. Apesar das pessoas punidas, existe uma grande quantidade de homens – em sua grande maioria brancos – que tiveram seus crimes ignorados e continuaram sendo premiados e reconhecidos pela Academia.

A socióloga Juliana Angelo Martins analisa o tratamento desproporcional que a comunidade negra recebe em relação aos brancos e afirma:

“Quanto aos homens brancos que nada sofrem quando erram, não há muito o que se dizer. Eles já têm a mídia para defendê-los, são a sua rede de proteção. A eles, não cabe o mal-estar de serem afastados de suas práticas ou convivência social.”

Além disso, Juliana comenta sobre o espaço dos homens negros na premiação: “A simples apresentação de Will Smith já demonstra como ele personifica com a sua presença tudo aquilo que cabe somente aos homens brancos, quando observamos a estrutura social”. Ela ainda completa: “Este homem preto saiu em defesa de sua esposa, que estava sendo depreciada por outro homem preto. Chris Rock encontrou, como estratégia para ser aceito naquele espaço branco, aquilo que ele chama de humor. Infelizmente, algumas vezes, nós negros, para sermos aceitos em determinados espaços, vestimos os personagens que os brancos nos reservam. Will não o fez.”

A Academia das Artes e Ciências Cinematográficas Hollywood (Academy of Motion Picture Arts and Sciences) foi fundada em 1927, inicialmente com objetivo de promover a indústria do cinema. Hoje em dia, é responsável pelo Oscar, o maior prêmio do cinema mundial.

Segundo Pedro Butcher, a Academia foi erguida em cima do conservadorismo da época em que foi criada e de seus fundadores, homens brancos e privilegiados. De acordo com o site Deadline, a instituição possui cerca de 9.750 integrantes, e apesar das diversas críticas sofridas em decorrência da falta de representatividade, poucas mudanças ocorreram com o passar do tempo, e seus membros continuam sendo majoritariamente homens brancos. 

Devido ao ocorrido, Will Smith e sua família foram significativamente afetados, apesar dos membros terem reagido de formas diferentes. Jada Smith compartilhou em suas redes sociais “Essa é uma temporada de cura e eu estou aqui para isso”. Já Jaden, filho do casal, comentou no Twitter na madrugada logo após a premiação “E é assim que nós fazemos isso”, prestando apoio ao pai. 

Willow Smith, filha do ator, se pronunciou no Instagram ao compartilhar mensagens de bondade e gentileza “Você sabe quem está passando por muita coisa agora? Literalmente todos. Apenas seja gentil”, também declarando suporte à família. O irmão mais velho, Trey, não se manifestou acerca do assunto. 

Com certeza, o membro mais afetado da família Smith foi Will. Após sofrer rejeição de grande parte do público e da elite artística, muitos estúdios com parcerias e produções com o artista passaram a colocar as obras com Will Smith em segundo plano. Tal medida foi tomada com o intuito de evitar a associação da imagem do ator com suas marcas. Ainda, no dia 4 de abril, o ator decidiu se internar em uma clínica de reabilitação para que consiga se recuperar mental e emocionalmente sem a interferência de qualquer pressão externa.

Reportagem: Júlia Vianna, Lucas Luciano, Gabriela Arditti, Maria Eduarda Martinez

Supervisão: Gabriela Leonardi e Mateus Rizzo

Foto de capa: Getty Images

Tags:

Você pode gostar também

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Conteúdo relacionado