CARREGANDO

O que você procura

Destaque Geral Portal de Jornalismo ESPM RJ

60 anos de James Bond nos cinemas

Compartilhar

“Bond, James Bond.”

Neste ano, um dos personagens mais icônicos da história do cinema completa 60 anos. James Bond, também conhecido como 007, é um agente secreto fictício da agência de inteligência britânica, MI6. Ele foi criado pelo escritor Ian Fleming em 1953, sendo introduzido no livro Casino Royale, o primeiro de seus quatorze best-sellers. Após o sucesso das publicações, foi a vez dele ser traduzido para a sétima arte. Então, em 1962, com Sean Connery interpretando o protagonista, foi lançado 007: Contra o Satânico Dr. No.

Seis décadas, 25 filmes e 6 atores depois, a franquia é uma das mais bem sucedidas da história do cinema. São quase 10 bilhões de dólares arrecadados, 6 Oscars, 4 Golden Globes, 3 Grammys e diversos outros prêmios. Hoje em dia, o espião britânico é um dos personagens mais bem sucedidos e reconhecíveis da cultura pop.

O verdadeiro James Bond

Nascido em 1912, Dusko Popov foi um agente duplo que atuou durante a segunda guerra mundial transmitindo informações falsas para os nazistas enquanto espionava para os Aliados. Durante esse período, ele conseguiu convencer os alemães que haviam minas fictícias através de toda a Grã-Bretanha e ajudou a criar o “Plano Midas”, que levou a própria Alemanha a financiar, indiretamente, operações do MI5.

No livro “Na Toca do Lobo”, de Larry Loftis, é possível conhecer detalhes maiores da sua vida e personalidade. Segundo o autor, Dusko era charmoso, cavalheiro, bonito e muito inteligente. Tinha uma boa memória fotográfica e era extremamente corajoso. Além disso, mantinha um estilo de vida boêmio, e era sempre visto em lugares badalados acompanhado de belas mulheres. 

Essas e outras características chamaram a atenção de Fleming. Os dois se conheceram em Lisboa no Casino do Estoril, local que se tornou a inspiração para o famoso Casino Royale – mostrado nas obras. Depois desse encontro, o escritor britânico teve a ideia de escrever o que viria a ser uma das histórias mais marcantes da sua geração. Hoje, em 2022, a saga já conta com 24 filmes feitos, e seis atores já tiveram a oportunidade de interpretar o espião nas telas do cinema. 

Os atores que deram vida à James Bond

Sean Connery (1962 – 1967)

Sean Connery como James Bond 

O espião britânico já teve várias faces, mas é impossível não dar destaque para sua primeira versão. Interpretada por Sean Connery e sendo vista pela primeira vez em 1962, enfrentando o misterioso Dr. No do ator Joseph Wiseman. O filme se provou um marco no cinema e influenciou uma geração. O jornalista Marcos Kontze, fundador do James Bond Brasil, portal especializado em notícias sobre o 007, declarou ser inegável que foi o ator escocês quem moldou o personagem. Todos os outros que o substituíram, embora com estilos e personalidades diferentes, sempre basearam-se no molde original criado por ele, afirmando: “O Bond de Connery foi um ícone não só para o gênero de ação e espionagem, mas como também para uma geração de homens que portavam-se como ele, e queriam viver e replicar o que viam nas telas.”

No total, o escocês interpretou o agente secreto em sete filmes, entre 1962 e 1983. E apesar de sua seleção para o papel não ter sido aprovada pelo escritor Ian Fleming, ele é lembrado não só como um dos melhores da franquia, mas como um dos melhores personagens da história do cinema.  

George Lazenby (1969)

George Lazenby como James Bond 

Após 5 anos dando vida ao agente com “licença para matar”, Connery anunciou que estava deixando o papel. Com isso, os produtores começaram a busca por seu substituto. O australiano George Lazenby foi o escolhido. Originalmente, foi oferecido ao ator um acordo de 7 filmes, no entanto seu agente lhe disse que a franquia não iria durar até os anos 70 e ele não deveria se comprometer por tanto tempo. Com isso ele assinou o contrato para apenas um filme. Então, em 1969, foi lançado 007 – A Serviço Secreto de Sua Majestade, sendo esse o único longa-metragem do espião que Lazenby filmou.

Roger Moore (1973 – 1985)

Roger Moore como James Bond 

Moore, recordista de aparições como o agente secreto, interpretou o espião em 7 filmes, sendo que todos foram dirigidos pelo diretor John Glen, que era excelente em capturar puro caos na tela. Sendo por isso que a versão de Moore é mais conhecida. Ao longo dos filmes ele foi ao espaço, lutou contra um grupo de crocodilos e desarmou uma arma nuclear. Sua versão é lembrada como a mais leve e divertida do agente britânico. 

Timothy Dalton (1987-1989)

Timothy Dalton como James Bond 

Dalton pode ter apenas interpretado o papel duas vezes, mas os filmes “Marcado para a Morte” e “Permissão para Matar” são dois dos mais amados até hoje. Sua versão era mais sombria e séria, sendo considerada a interpretação mais fiel dos livros de Ian Fleming. Em uma entrevista concedida à TotalFilm em 2008, Dalton falou que queria fazer ele mais humano, afirmando: “Ele não é um super-homem. Você não consegue se identificar com um super-homem. Você consegue se identificar com o James Bond dos livros.”

Pierce Brosnan (1995 – 2002)

Pierce Brosnan como James Bond 

Após 6 anos sem filmes do agente de Sua Majestade, foi a vez de Brosnan assumir o papel. Seus anos na saga foram repletos de altos e baixos. O primeiro dos quatro longas de sua era, Contra GoldenEye, é considerado o seu melhor. Mesmo sendo uma das versões mais polarizantes de James Bond, ele é lembrado com carinho por grande parte dos fãs, como é o caso de Kontze, declarando ser seu favorito: “Como Pierce Brosnan foi o primeiro Bond que assisti no cinema, a relação com o ator torna-se quase que pessoal, então escolher um Bond preferido não teria como ser diferente.” 

Daniel Craig (2006 – 2021)

Daniel Craig como James Bond  

Craig foi o último ator a ter o papel do agente secreto e seus filmes, com um tom mais sombrio, físico e violento, ajudaram a reviver a franquia. Seu terceiro filme, Skyfall, arrecadou 1.1 bilhões de dólares, se tornando o longa-metragem do James Bond mais bem sucedido comercialmente de todos os tempos. Ele se despediu ano passado do espião, em “Sem Tempo para Morrer”. Originalmente, Craig achou que “Spectre” iria ser seu último filme, porém aprovou o fato de ser chamado para mais um filme, afirmando: “Estou tão feliz que tive a chance de vir e fazer isso. Amarramos muitas pontas soltas. Tentamos contar uma história com todos os meus filmes de Bond. É como se eles estivessem todos conectados de alguma forma e este meio que finalizou essa história.”

O segredo para manutenção dos filmes: 

A franquia do James Bond foi umas das primeiras grandes de Hollywood, a ideia de trazer uma continuidade para as obras cinematográficas, o que hoje é muito comum, começou com o espião mais conhecido atualmente, o 007. Depois de 60 anos da adaptação, o personagem britânico ainda mantém sua popularidade e reconhecimento em alta. 

Embora seja um filme que mantenha a sua narrativa desde o primeiro longa-metragem, a sequência de mais de 20 obras, durante essas seis décadas, foi adaptando-se. Segundo o professor da ESPM, formado em Ciências Sociais pela UFRJ, Simplício Neto, “007 foi um equilíbrio perfeito entre repetição e novidade, por isso funcionou e funciona até hoje.”

Dessa forma, as películas precisaram evoluir junto com o que cada geração de telespectadores vivia para se manter relevante durante esses anos, assim, impactando diferentes épocas. Outra marca da franquia, é a modificação entre os atores, para o jornalista Marcos Kontze, “A mudança natural do personagem ao longo dos filmes também modificou a sensibilidade do espectador em relação ao que assiste na tela do cinema”.  Apesar de manter sua essência de espião secreto, cada intérprete trouxe uma exposição diferente para o personagem, atualização, também, de acordo com seu tempo, como aborda o criador do portal James Bond Brasil. Declarando que em virtude dos tempos em que vivemos, em um mundo pós MeToo, muito distante da realidade da década de 1960, é preciso que o personagem também acompanhe essa evolução das relações humanas para dar continuidade ao seu legado de sucesso nos cinemas. Ainda acrescenta: “Mesmo com toda masculinidade presente em sua personalidade, nos dias de hoje as plateias não aceitariam que James Bond agredisse uma mulher, como visto em filmes como “007 Contra Goldfinger” e “007 Contra O Homem Com A Pistola de Ouro”.

Expectativas para o futuro James Bond

Com a saída de Daniel Craig, fãs estão ansiosos para descobrir quem será o próximo a interpretar o personagem. Muitos atores já foram especulados, pela mídia, para o papel, como Idris Elba e Henry Cavill, porém os produtores ainda não sabem de fato qual será o próximo passo da franquia. Circulou na mídia sobre o famoso espião ser interpretado por uma mulher, entretanto, a produtora Barbara Broccoli negou, afirmando que novos papéis devem ser criados para as mulheres, ao invés de colocá-las em papéis masculinos.

Agora que a Amazon detém 50% dos direitos da franquia, há muitas maneiras de seguir com as histórias de Bond, com spin-offs, filmes e curtas metragens. Portanto, provavelmente veremos outras vezes o personagem nas telas do cinema. Inclusive, a Prime Vídeo já deu a luz verde para o primeiro show de TV baseado no espião britânico, “007 Estrada para um Milhão”, que será uma corrida ao redor do mundo filmada em várias das localizações históricas vistas ao longo dos filmes, onde o vencedor ganhará 1 milhão de libras. 

Reportagem: Vitor Miguel, Julia de Paulo, Lucas  Luciano. 

Supervisão: Brenda Barros 

Foto de capa: (Getty Images)

Primeira foto: (Eon Productions)

Segunda foto: (MGM)

Terceira foto: (Eon Productions)

Quarta foto: (MGM) 

Quinta foto: (MGM)

Tags:
Artigo anterior

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *