CARREGANDO

O que você procura

Destaque Geral Portal de Jornalismo ESPM RJ

113 anos de Japão no Brasil

Compartilhar

Há 113 anos, no dia 18 de junho de 1908, chegou no porto de Santos, em São Paulo, o primeiro navio com imigrantes japoneses. O navio Kasato Maru trouxe cerca de 165 famílias vindas do Japão para fazer parte da mão de obra brasileira, depois de um acordo entre o governo dos países. A embarcação se tornou símbolo da presença japonesa no Brasil.

Nikkei é o nome que se dá na língua japonesa para os seus descendentes nascidos fora do país ou que vivem no exterior. No Brasil, vivem mais de 2 milhões de japoneses e nipo-brasileiros, o que representa a maior comunidade nikkei fora do Japão do mundo, segundo dados do portal do Governo de São Paulo. A cidade mais populosa do país também é o lugar onde se concentra a maior parte de nipônicos vivendo em solo brasileiro, cerca de 1,3 milhões. 

No entanto, mesmo o Brasil possuindo a maior colônia japonesa do mundo, os seus herdeiros ainda tem que lidar com casos de discriminação dentro da sociedade brasileira. Hugo Katsuo tem 22 anos, é cineasta e possui ascendência japonesa, tanto por parte materna, quanto paterna. Quando indagado sobre a violência social, ele disse: “Existe um preconceito em relação às pessoas e à cultura japonesa/nipo-brasileira no país. Mas ele se dá muito mais no âmbito de um orientalismo, ou seja, de um imaginário ocidental estereotipado sobre o chamado Oriente”.  

A discriminação mencionada por ele trata-se de julgamentos pré-concebidos que podem envolver tanto atos de agressões físicas quanto mentais contra pessoas nascidas ou com ascendência de países asiáticos. Katsuo ainda traça ainda um paradoxo com a pandemia do coronavírus e o Mito do Perigo Amarelo, uma ideia que põe a Ásia como um perigo para a comunidade ocidental. “As coisas ficam mais complexas quando o covid-19 é racializado como um ‘vírus chinês’ e qualquer pessoa com fenótipo do leste-asiático se torna um potencial vetor do vírus, aumentando o discurso de ódio contra pessoas com ascendência dessa parte do mundo no país, inclusive japoneses”, concluiu Hugo. 

Por outro lado, a cultura japonesa é muito popular no Brasil, sendo responsável por levar milhares de pessoas a festivais. De acordo com dados do Festival do Japão de 2017, realizado na São Paulo Expo, 182 mil pessoas compareceram ao evento ao longo dos seus 3 dias de duração. O presidente da Associação Nikkei do Rio de Janeiro, Kenhitiro Kurihara, diz que o que faz a cultura do Japão ser tão atraente é por ser uma coisa tradicional e com uma longa história.

Os animes, desenhos animados japoneses, se tornaram uma sensação mundial e os sucessos de títulos como Akira, Sailor Moon e Dragon Ball foram responsáveis pela popularização deles no Brasil. Animes e mangás, trazem consigo diversos elementos dos costumes nipônicos para o público através das mais diferentes histórias e visuais. Kurihara diz que ficou impressionado com como os animes conseguiram disseminar mais a visão de mundo do Japão, “Isso [o anime] ajuda a divulgar a cultura e entender um pouco do pensamento do povo japonês.” Ele ainda completa dizendo que esse tipo de mídia é capaz de transmitir muito o sentimento, fazendo com que a audiência consiga compreender mais o funcionamento social da terra do sol nascente.

Arthur Croce, de 20 anos, é consumidor de animes e mangás desde criança e diz que esse entretenimento foi responsável pelo seu crescente interesse na cultura do Japão. “Hoje eu tenho muita vontade de não só visitar o Japão, como eu tenho um grande interesse na língua japonesa, nos costumes, na história. Algo que só aconteceu devido a essa aproximação fornecida pelos mangás e animes”, completa. A existências de serviços de streaming dedicados a conteúdos japoneses, como o Crunchyroll, ajuda a fortalecer a ponte entre culturas ricas, que só têm o que ganhar com essa troca.

Os 113 anos de convívio direto entre as culturas ajudaram a transformar o Brasil na maior colônia japonesa fora da terra do sol nascente. A influência dos imigrantes japoneses está presente hoje na agricultura, nas ciências, cultura, religião e na culinária. Isso tudo mostra o quão importante foi a chegada dos nikkeis na formação de hábitos e costumes que a sociedade brasileira carrega até os dias de hoje.

 

Reportagem: Filipe Bias e Guilherme Rezende

 

Supervisão: Gabriela Leonardi e Letícia de Lucas

Tags:

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *