CARREGANDO

O que você procura

Portal de Jornalismo ESPM RJ Semana de Profissões

Televisão em pauta

Compartilhar

Marcelo Cosme, jornalista com cerca de 20 anos de profissão começou sua carreira na RBS, passou pela Band e chegou à Rede Globo para trabalhar como repórter em Brasília. Hoje, apresenta o programa “Em pauta” da GloboNews e aos sábados o “Jornal Hoje” na TV Globo. O jornalista ministrou uma palestra na manhã desta segunda-feira (07), na Escola Superior de Propaganda e Marketing. O evento faz parte da segunda edição da WeekUp, a semana das profissões da ESPM-Rio, que busca discutir as novas tendências do mercado nas áreas de jornalismo, cinema, design administração e publicidade. 

A palestra “A transformação da televisão na contemporaneidade” abordou, com foco no telejornalismo, os novos caminhos da televisão que, diante da competição com a internet, precisa se aproximar do público e os desafios dos jornalistas na atualidade. O Portal de Jornalismo, buscando saber mais, entrevistou Marcelo. 

Portal: Qual é a diferença de apresentar um jornal como o Jornal Hoje e o Em Pauta, da GloboNews?

Marcelo: O Jornal Hoje é um jornal mais de notícias, então a gente sempre lê a chamada das notícias uma atrás da outra. O Em Pauta é um jornal de análise, então a gente traz uma notícia e fica discutindo ela às vezes 8 ou 10 minutos sobre o que aconteceu. A grande diferença é que Jornal Nacional, Bom Dia Brasil, ou os jornais da própria Globo News são jornais que a gente traz a notícia e não têm uma análise tão grande quanto no Em Pauta, porque o Em Pauta é um jornal de análise, a prioridade é a análise.

Portal: Qual é a principal diferença na preparação para ser um repórter e para ser um apresentador?

Marcelo: A gente nunca deixa de ser repórter, independentemente de ser apresentador ou não. O repórter e o apresentador têm mais ou menos a mesma preparação, de você se informar do que está acontecendo. Quando eu era repórter em Brasília eu cobria o STF, então eu sabia que eu tinha que saber o que estava acontecendo no Supremo, o que aquele julgamento podia representar, então eu ficava mais focado num assunto. Quando você é apresentador você precisa ler, é claro que não de forma tão aprofundada como você faria em uma reportagem específica sobre vários assuntos, então a diferença é um pouco essa, você se informar de tudo e de uma questão específica, porque ser apresentador exige que você saiba tudo que vai estar no jornal.

Portal: Você acha que há necessidade de o jornalista possuir uma outra formação ou especialização?

Marcelo: Não vejo necessidade de dizer que o jornalista precisa ser especializado em uma área específica e para isso precisa fazer uma universidade, um outro curso. Por exemplo, o cara que cuida de economia ter que ser formado em economia, é claro que se ele for formado em economia vai ajudá-lo a reportar e lidar com esse assunto melhor, mas eu não vejo necessidade disso. 98% dos meus colegas, se eu arriscar até 99%, não tem duas universidades, dois cursos diferentes, eles têm a formação do jornalismo, que exige você cobrir qualquer tipo de fato, qualquer tipo de notícia, seja um acidente de trânsito ou uma decisão no supremo tribunal federal.   

Portal: Como a TV pode se conectar com as pessoas, em comparação à internet que é um meio muito mais interativo?

Marcelo: A televisão tem esse grande desafio de se aproximar das pessoas que tem o smartphone na mão e conseguem se informar a todo momento, por isso que a gente tenta ser mais informal na medida do possível para que a gente mostre para as pessoas que a gente está falando na linguagem delas. Então a TV está passando por um processo de transformação de linguagem para que a gente possa se aproximar. O grande desafio de televisão hoje em dia é se conectar com essa velocidade, uma linguagem que traga essas pessoas que estão na internet também para a televisão.

Portal: Como manter o público mais velho e mesmo assim estimular os mais jovens a assistir também?

Marcelo: O ponto de partida para tudo é a credibilidade na informação, você tem que ter uma informação precisa e de credibilidade para o público tradicional e para o público mais novo. É você saber mesclar: você tem que respeitar o público que assiste há muito tempo sabendo que é um cara que está em busca da informação e também esse cara novo que quer uma coisa mais descolada. Hoje a gente tem um exemplo muito forte disso que é o G1 onde entram jornalistas mais novos com roupas diferentes. Então você está atendendo o público da internet, mas também traz uma informação que aquele público tradicional vai consumir, sabendo que mesmo que com um estilo diferente daquele que ele estava acostumado com jornalistas tradicionais, o cara está em um lugar que tem credibilidade.

Reportagem: Felipe Roza e Yan Lacerda.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Próximo