CARREGANDO

O que você procura

Destaque Mundo em Quarentena

Brasil

Compartilhar

Segundo a última atualização do Ministério da Saúde, nesta segunda-feira (13), o número de casos confirmados de coronavírus no Brasil subiu para 23.430, apontando 1.328 mortos. No entanto, a modelo de 18 anos, Milena Stroub, foi um dos casos de recuperação da doença. Ela estava viajando à trabalho na Sérvia, onde demonstrou suspeitas de contaminação. Após voltar para o Brasil, no dia 12 de março, realizou os exames e confirmou estar com covid-19.

 

Portal: Como você se contaminou com o coronavírus?

Milena: Eu não sei ao certo como eu me contaminei, porque eu estava em Milão, mas depois de Milão eu fui para Londres, e de lá para a Sérvia. Foi lá na Sérvia que acredito que tenha me contaminado, já que encontrei uns amigos e uma amiga que estavam antes em Milão. Depois de 5 dias em contato com ela, dormindo juntas, passando o dia todos juntas, eu comecei a ter febre e sentir outros sintomas. Então, acredito que tenha me contaminado na Sérvia, através do contato com a minha amiga que estava em Milão.

 

Portal: Como foi processo de recuperação da doença?

Milena: Meu processo de recuperação foi, em comparação com o que estamos vendo atualmente no mundo, tranquilo. Mas, eu tive alguns sintomas, como febre, tosse e dificuldade de respirar quando ainda estava na viagem. Chegando aqui, eu estava só com tosse, mas para a recuperação, foi tranquilo. Tomei xarope para tosse, fiquei em casa de quarentena com a minha família e não tive mais nada grave.

 

Portal: Qual foi a sua reação diante esta situação?

Milena: Eu acredito que eu e minha família reagimos bem a tudo isso. Foi um susto quando saiu o resultado do teste e deu positivo. Para mim era uma gripe normal, eu não acreditava que eu poderia estar com coronavírus, já que é uma epidemia que está se alastrando no mundo todo com milhões de pessoas morrendo. Então, quando o resultado deu positivo, ficamos um pouco assustados, mas reagimos bem. Desde o dia em que cheguei, toda a minha família ficou em quarentena e tivemos o apoio dos vizinhos para comprar comida para a gente. Então, acredito que reagimos bem sim.

 

Portal: Após perceber os sintomas, você teve dificuldades em sair da Itália e voltar para o Brasil?

Milena: Não, eu não tive nenhuma dificuldade para voltar pro Brasil. Na verdade, eu estava na Sérvia, aí eu voltei para Londres, fiquei um dia lá e no dia seguinte peguei um voo para o Brasil. Isso porque o vírus ainda não estava tão alastrado em Londres. Então, foi tranquilo pra mim, mas minhas amigas que tentaram voltar depois da Itália tiveram muita dificuldade.

 

Portal: Como sua família te acolheu sabendo que você estava contaminada?

Milena: Minha família me acolheu normalmente. Quem mora comigo, que são meu pai, minha mãe e minha irmã, foram me buscar no aeroporto, entraram em contato comigo. Eu até não queria, porque eu estava com a suspeita de estar com o vírus, mesmo acreditando que eu não estaria. Mas eles quiseram ir, me buscaram no aeroporto e a gente ficou em contato em casa. Então, é muito provável que eles tenham tido o vírus também, mas graças a Deus nenhum deles manifestou sintoma nenhum. Eles ficaram de quarentena junto comigo, porque eles entraram em contato desde o aeroporto quando me buscaram.

 

Portal: Você é do grupo de risco? Se sim, sentiu-se mais tensa por isso?

Milena: Sim, eu sou do grupo de risco, porque eu tenho diabetes tipo 1 e a única coisa que me deixou tensa foi que minha glicose começou a subir muito. Esse foi um dos indícios de que tinha alguma coisa errada comigo, porque meu controle da glicose é muito bom e regulado, eu levo a diabetes muito bem. Mas, a minha glicose começou a subir muito e eu não entendia o porquê. Então, depois eu tive os sintomas como a febre, a tosse e o cansaço. Imaginei que poderia ser por conta disso, porque quando tem alguma infecção ou corpo estranho, a glicose sobe, então isso que me deixou mais nervosa. Mas, como a minha glicose é controlada normalmente, eu não fiquei nervosa na questão de complicações que eu poderia ter com o coronavírus.

 

Portal: O coronavírus te prejudicou profissionalmente com os “castings” e trabalhos?

Milena: Sim, a princípio porque eu estava em Milão para fazer só a semana de moda, a Fashion Week, e depois voltei para Londres com todos os meus trabalhos confirmados, para as semanas seguintes. E assim que cheguei lá, avisaram que todos os clientes tinham cancelado os meus trabalhos, porque eu estava na Itália. Então, isso me prejudicou muito, fiquei muito chateada na época, mas isso me fez voltar antes para o Brasil. E isso acabou sendo algo positivo para mim, já que eu teria muito mais dificuldade em voltar, tanto para sair de lá, como para chegar aqui. Só que sim, me prejudicou muito profissionalmente.

 

Portal: Que lição você levou com essa doença?

Milena: A lição que eu levei com essa doença é que realmente temos que respeitar a quarentena e o que os médicos estão falando. Sinceramente, mesmo tendo contato com a minha amiga que estava em Milão e ter viajado para Sérvia e Londres na época que o vírus estava se alastrando e tendo apresentado febre e tosse, não acreditei que poderia estar com o vírus. Se eu não tivesse a consciência de ficar em casa e fazer o teste, eu teria saído, vivido minha vida normalmente e poderia transmitir o vírus para milhares de pessoas, causando um mal enorme à sociedade. Essa foi a maior lição que guardei, respeitar os profissionais de saúde e suas recomendações.

 

Portal: O que você recomendaria a outros jovens que não estão respeitando a quarentena?

Milena: Eu recomendaria aos jovens que não estão respeitando a quarentena que, por favor, tenham consciência e respeitem a quarentena. Sei que muitos acreditam que possam não ter contraído o vírus de fato, no entanto, já foi provado que muitas pessoas são assintomáticas, principalmente os jovens, podendo transmitir o vírus a idosos e pessoas que terão complicações maiores caso se contaminem. Fiquem em casa para não serem responsáveis por isso.

Reportagem: Bruna Barros, Gabriela Estrella, João Medina, Leo Garfinkel, Lucas Geia, Lucca Gaspar, Paola Burlamaqui e Ricardo Ferro

 

Tags:
Artigo seguinte

Você pode gostar também

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Próximo